Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Cortiça integra programa de veículos espaciais reutilizáveis

6/1/2020

Participação da Amorim Cork Composites no projeto RETALT envolve o desenvolvimento de soluções de proteção térmica com cortiça para lançadores reutilizáveis.

O desenvolvimento de lançadores reutilizáveis é uma das grandes tendências a que se assiste na indústria aeroespacial. O Spaceshuttle - considerado durante muito tempo o veículo de vanguarda - tem associado custos de manutenção demasiado dispendiosos. No entanto, as evoluções mais recentes, lideradas sobretudo por empresas norte-americanas, como a Blue Origin e a SpaceX, apontam numa outra direção.

O RETALT - Retro Propulsion Assisted Landing Technologies -, projeto do qual a Amorim Cork Composites faz parte, surge neste contexto e visa reduzir o custo da próxima geração de lançadores e de sistemas de transporte, através do recurso a novas tecnologias que permitam a sua reutilização.

O projeto, que une indústria e investigação europeias, envolve importantes empresas europeias no aeroespacial e será diretamente apoiado por fundos da União Europeia. Do consórcio do RETALT fazem parte, além da Amorim Cork Composites (Portugal), a DLR (Alemanha), CFS Engineering (Suíça), Elecnor Deimos (Espanha), MT Aerospace (Alemanha) e a Almatech (Suíça).

A participação da Amorim Cork Composites no projeto apoiará o desenvolvimento de processos de simulação e o dimensionamento estrutural dos componentes de proteção térmica, assim como a respetiva produção. A missão da empresa inclui a criação de uma solução com cortiça que poderá ser aplicável na carenagem do lançador no local, complementando o já existente material de cortiça de proteção térmica: TPS –Thermal Protection System. Prevê-se, neste âmbito, o desenvolvimento de soluções para revestir diferentes sistemas, produzindo vários protótipos em pequena escala.

“A retropropulsão é uma prática no EUA. Contudo, o fenómeno e física por detrás da tecnologia não está completamente estudado. Com informação de alta qualidade, resultado de testes em túnel de vento e protótipos terrestres combinados com simulações numéricas, seremos capazes de compreender os pormenores e dar um grande passo no que é reutilização destes equipamentos na Europa. O know how para uma rápida aplicação da reutilização dos lançadores na Europa, apenas pode surgir de um esforço comum da investigação e da indústria.”

Coordenador RETALT, prof. Ali Gülhan (DLR)