Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Corticeira Amorim Disponibiliza 200m2 de cortiça para a construção do Serpentine Summer Pavilion 2020

Londres 24/2/2020

O estudio de arquitetura sul-africano Counterspace projetou o pavilhão que terá como foco a ecologia e a sustentabilidade no 20.º aniversário da exposição

A cortiça será um dos principais materiais utilizados na construção do Serpentine Summer Pavilion 2020, uma das mais importantes exposições de design e arquitetura mundiais. Realizada anualmente em Kensington Gardens, Londres, a exibição contará, então, com cerca de 200m2 daquela matéria-prima fornecidos pela Corticeira Amorim que, em conjunto com outros elementos amigos do ambiente, permitirá corporizar o projeto do trio de arquitetas sul-africanas Counterspace. Recorde-se que esta é a segunda vez que a empresa portuguesa aparece associada à iniciativa depois de uma primeira cooperação em 2012.

A celebrar o seu 20.º aniversário, a sustentabilidade e a ecologia são, pois, as temáticas centrais do Serpentine Summer Pavilion, questões, essas, que inspiraram o trabalho vencedor de Sumayya Vally, Sarah de Villiers e Amina Kaskar. Neste contexto, a escolha dos materiais para a infraestrutura do pavilhão teve em conta uma forte componente ambiental, certeza que resultou na eleição da cortiça como uma das matérias-primas basilares. Na verdade, o facto de estarmos perante um produto 100% natural, ecológico, renovável, reciclável e reutilizável coloca a cortiça em vantagem face a muitas outras soluções.

As três arquitetas de 29 anos, que tencionam utilizar outros materiais sustentáveis como blocos de tijolo reciclado produzidos a partir de lixo da indústria da construção, tornaram-se na equipa mais jovem de sempre a desenhar o Serpentine Summer Pavilion. O conceito apresentado inspira-se nos principais espaços de convívio da cidade de Londres, com especial foco na vivência das comunidades migrantes, periféricas e suburbanas. Tais locais de recordação, memória e de afeto juntar-se-ão de uma forma única no pavilhão de verão formado por diferentes divisões. Neste ambiente, a cortiça ficará exposta ao olhar dos visitantes, que serão convidados a experienciar as distintas áreas através de ruturas estruturais, mudanças de gradiente e contrastes de cor, textura e densidade. A inauguração do Serpentine Summer Pavilion está prevista para o dia 11 de junho de 2020, fechando portas 4 meses depois, a 11 de outubro.

A parceria com a Serpentine Gallery, a célebre galeria londrina responsável pela iniciativa, repete-se num ano muito especial para a Corticeira Amorim que está a celebrar 150 anos. A primeira vez foi, então, em 2012, no Sepertine Summer Pavilion projetado pelos arquitetos suiços Herzog & de Meuron e pelo ativista plástico chinês Ai Weiwei. Nessa altura, a cortiça foi também um elemento transversal da instalação: com 80m3 de matéria-prima os artistas criaram uma complexa estrutura circular e mais de 100 peças de mobiliário em aglomerado.