Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

REGACORK: primeira extração de cortiça virgem aos 12 anos

Portugal 14/2/2020

Ao longo dos últimos anos a produção mundial da cortiça tem vindo a diminuir quer em quantidade, quer em qualidade. As más práticas de gestão, o incremento dos ataques por agentes bióticos e abióticos e as alterações climáticas são os principais responsáveis pela perda de vitalidade dos sobreiros (Quercus suber). A este cenário soma-se, então, a morosidade da colheita, característica natural deste tipo de plantação, que leva cerca de 25 anos até permitir a extração de matéria-prima com as propriedades necessárias para ser considerada rentável. Um panorama problemático para o setor, para a economia e para o património natural português, que o projeto de investigação REGACORK decidiu encarar como uma oportunidade.

O REGACORK, conta com o importante apoio de várias herdades, sociedades agrícolas e institutos de investigação e conservação, monitoriza atualmente uma dezena de áreas de experimentação. Localizadas maioritariamente na região do Alentejo, cinco dessas áreas servem para ensaios piloto e outras tantas para plantações de produção comercial com fins lucrativos. Além da coordenação, a Amorim Florestal tem também um papel fundamental no que toca à investigação e monotorização. Na verdade, nos laboratórios da Amorim Florestal são realizadas as análises anuais às instalações de sobreiros em fertirrega. Modus operandi que permite acompanhar a produção de cortiça em cada sobreiro individualmente em calibre e qualidade.

O grande objetivo do Grupo Operacional REGACORK, projeto coordenado pela Amorim Florestal e pela Universidade de Évora, é valorizar a fileira da cortiça desde os produtores aos transformadores antecipando a produção de cortiça, favorecendo o crescimento dos sobreiros em povoamentos de produção intensiva e promovendo a sua vitalidade ao mitigar eventos de stress hídrico.

Este projeto tem quatro objetivos específicos:

  • Determinar métodos de fertirega de cobreiros com base cientifica. Num ensaio pioneiro a decorrer na herdade do Corunheiro, em Coruche, está a estudar-se qual a melhor, supereficiente e mais eficaz relação crescimento dos sobreiros versus economia de água.;
  • Antecipar a produção de cortiça em novas plantações de sobreiro com fertirega, de forma rentável. Num outro ensaio piloto a decorrer atualmente na Herdade do Conqueiro, em Avis, foi possível extrair cortiça virgem em alguns sobreiros ao fim de 8 anos, contra os habituais 18 a 25 anos do sistema tradicional;
  • Avaliar o efeito da fertirega na formação, produção e qualidade da cortiça em plantações de sobreiros adultos ou em situação de pré- desbóia. É importante referir que as experiências com recurso à fertirrega realizadas em sobreiros adultos têm unicamente o propósito de antecipar conhecimento. Ou seja, não é intuito do programa converter montados, e florestas de sobro de sequeiro, em extensos latifúndios para fertirrega;
  • Transferir o conhecimento técnico-científico obtido para a instalação de novos povoamentos de sobreiros;

Como resultado final do REGACORK pretende-se:

  • Lançar um Manual de Gestão de Povoamentos de sobreiros com rega de instalação melhorada;
  • Rentabilizar as áreas marginais em perímetros de rega, atualmente subaproveitadas;
  • Instalar povoamentos de sobreiros com uma maior capacidade de sequestro de carbono;

Todavia, e como seria expectável, o REGACORK também pretende melhorar consideravelmente os níveis de rentabilidade do setor da cortiça e, ao mesmo tempo, incrementar a resposta do mercado corticeiro à procura de matéria-prima a médio prazo, aumentando a disponibilidade de cortiça amadia, cortiça de qualidade mais elevada que reúne as características necessárias para a produção de rolhas e que  ronda as 220 mil toneladas/ano. Para obtermos a produção mundial de cortiça, a este valor devemos adicionar  as cerca de 100 mil toneladas de cortiça proveniente de podas, desbastes e intervenções sanitárias nos povoamentos de sobreiro.